Tuesday, June 28, 2016

Reduced meta-population dynamics following Brexit

As en ecologist, I see human migrations as part of a meta-population: patches with surplus of resources (known as "sources") will attract individuals, while patches with lack of resources ("sinks") will repel them.

The long-term persistence of a species is closely related to free movement within the meta-population, and the meta-population with barriers to movement is more likely to go extinct than the meta-population enabling individuals to track resources as they fluctuate through time. It follows that larger meta-populations are more resilient to change than smaller meta-populations.

These inferences have been widely tested in natural systems.

The analogy with human societies is obvious. The creation of large territorial blocs enabling free movement of people and resources (capital, goods, services) has demonstrably been good for regional "meta-populations" of humans, even if locally some populations might lose out in competition with newcomers.

Preventing "sources" from importing individuals from "sinks", and preventing "sinks" from exporting individuals to "sources" will depress the meta-population as a whole with the consequence that "sinks" will lean towards local extinction and "sources" will maintain populations below their carrying capacity. In the long term, and exposed to inevitable stochastic events, even "source" populations might face local extinctions.

Meta-populations in natural systems are not equivalent to meta-populations in social systems, though, because human societies are not linearly dependent on the amount of natural resources found locally. Wealth (fitness) is also related to innovation and entrepreneurship which, in turn attract, capital. But all of these factors are stimulated by competition (and its reverse cooperation), and both are boosted by free movement of individuals in large human meta-populations.

The irony for the UK is that the massive creation of new jobs that attracted massive numbers of new migrants from Europe and elsewhere, are a consequence of the success of an open economy within a large meta-population. Work towards a closer economy, and you will be able to reduce the inward fluxes of migrants not so much because of the effectiveness of the border controls but because the country will be generating fewer jobs and with fewer jobs less innovation and entrepreneurship and, as a consequence, less capital to create new jobs.

Tuesday, March 24, 2015

Science and money


The scientist is someone who uses money to generate knowledge. The entrepreneur is someone who uses knowledge to generate money.

Ones needs to understand the process of knowledge generation to understand how it might be transformed into innovation, technology and, eventually, money. Such understanding is surprisingly absent with some people that should know best.

Friday, February 20, 2015

The making of an exhibition


Three years after the exhibition "the making of biodiversity" was inaugurated, the National Museum of Natural Sciences (MNCN) is finally publishing the exhibition's catalogue. The presentation of the catalogue will take place on the 25th of February 2015 at 7 pm in the "Salón de Actos" of the Museum in Madrid. As scientific curator of this exhibition, I wrote the following introductory text that I share with you. 

My first memory in life is that of being overwhelmed by the presence of animals while visiting my grandparents in Africa. Shortly after, I visited one of the natural history museums in Europe, and my memories of this visit are so vivid today that I still remember the stairs leading to the main hall of the museum. Why would these events have such long lasting imprint in my memory? Is it that I am particularly beset by animals? Or is it that all of us share an innate emotional affiliation to other living organisms?

One of the most famous biologists of our times, Edward O. Wilson, proposes the latter. In 1984 he wrote a book, Biophilia, which sought to provide understanding of how the human tendency to relate with life might be the expression of a biological need, one that is integral to humans’ developmental process and essential in physical and mental growth. In the words of Stephen Kellert, “the biophilia hypothesis proclaims a human dependence on nature that extends far beyond the simple issues of material and physical sustenance to encompass as well the human craving for aesthetic, intellectual, cognitive, and even spiritual meaning and satisfaction”. In other words, if the biophilia hypothesis is right, our love for nature and for other living organisms is a need. If the hypothesis is wrong, it is still a fact that many of us have an innate tendency to be fascinated by other organisms.

As with other types of love, however, the love for life needs to be nurtured. Nurturing biophilia means promoting sensorial contact with the diversity of shapes, textures, colors, and odors that constitute life in our planet (thus creating the emotional connections and interest to learn more), providing the opportunities for observation and for acquisition of knowledge regarding the variety of life and the mechanisms that maintain and promote its evolution (thus providing the intellectual capacity for understanding the complexity of the natural world), and, finally, providing information for understanding the current state of biodiversity, our role as major drivers of change, and the consequences of the current changes for the future of biodiversity and for our own survival (thus providing the attitudes required to contribute for the right decisions).

The exhibition “The Making of Biodiversity” launched in 2012 at the National Museum of Natural Sciences (CSIC) in Madrid seeks to provide each one of these three essential elements for full appreciation of biodiversity. In the first part of the exhibition, the visitor will be exposed to the diversity of life as captured by our collections. This is the most beautiful part of the exhibition and one that aims at stimulating the interest and curiosity of the visitor. The second part of the exhibition seeks to provide knowledge about the mechanisms of evolution and diversification of life, which includes both speciation and extinction. This part of the exhibition is the one delving deeper in current ecological and evolutionary theories. The third and last part of the exhibition will provide information about the current status of biodiversity, the strategies required to mitigate some of the most important threats, and some of the projects that researchers at the museum have been engaged to in order to contribute for the conservation of biodiversity in the Iberian Peninsula and beyond.


My ambition, though, is that the visitor, especially the younger visitors, will wander through the exhibition finding sufficient sources of wonder for stimulating their creative thinking and, perhaps, for remembering this visit in many years to come.


Friday, October 17, 2014

Direitos e deveres de Amaya...

Há alguns factos que, sendo conhecidos, não me deixam de surpreender. Um é o facto de mentiras repetidas pelo menos três vezes ganharem o estatuto de verdade. Outro, é o facto da maior parte das pessoas só serem capazes de admitir aquilo que coincide com as suas crenças de partida. 

Vem isto a propósito da polémica gerada em torno de um artigo de opinião na revista Nature publicado por Amaya Moro-Martín. O artigo diz uma série de verdades com as quais poucas pessoas  discordarão. Por exemplo, que o investimento na ciência está a diminuir na Europa e que isso é um problema com repercussões sobre as gerações futuras. 

Não obstante, para dar músculo à narrativa a Amaya escorrega num argumento de fraca substância: que metade dos centros de investigação em Portugal poderia fechar em virtude de uma avaliação defeituosa por parte da ESF (European Science Foundation).  

Teve azar. Nos países Ibéricos é normal as pessoas esgrimirem argumentos roçando a difamação. Faz parte da retórica política e é uma prática tão difundida que ninguém leva a sério. Mas a Europa é diversa e não é assim por todo o lado. O Diretor da ESF, Jean-Claude Worms, exigiu que ela se retratasse e no caso de não o fazer ameaçou levantar-lhe um processo judicial por difamação. A Amaya em vez de explicar os fundamentos da sua afirmação resolveu fazer disto mais uma batalha política... Desta vez em nome da liberdade de expressão. E, claro, quem é contra a liberdade de expressão? Ninguém. E o coro dos indignados levantou-se mais uma vez.

O problema é que o conceito de liberdade, seja de expressão ou de outro tipo, implica, inevitavelmente, responsabilidade. Caso contrário tudo seria permitido. Incluindo as mais infames difamações sobre pessoas inocentes. Porque vivemos em democracia, a Amaya pode dizer o que lhe apetece. Mas pelas mesmas razões, o Diretor da ESF tem o direito de exigir a reposição da verdade. Afinal está em causa o seu nome, o prestígio da ESF e a credibilidade de 650 de investigadores de 46 países envolvidos no processo de avaliação. 

Mas porque digo eu que ela escorregou num argumento de fraca substância? 

Primeiro, as contas estão mal feitas. 50% dos centros que se candidataram a financiamento poderiam eventualmente não ser financiados mas nestes números incluem-se centros estabelecidos que perdem financiamento e centros novos que não chegam a ganhá-los. Nas últimas condições estão 62% das 90 propostas que foram apresentadas para criar novos centros. Portanto é incorreto falar em 50% de centros Portugueses a fechar. 

Segundo, não é inevitável que os centros que não passem na segunda fase da avaliação fechem. A decisão de fechar um centro não é da FCT. Se houve injustiça na avaliação e há centros excelentes que não são financiados, certamente terão outras fontes de financiamento (para não falar dos 6 milhões de euros que a FCT disponibilizou para apoiar a reestruturação de centros com avaliações abaixo mas próximas do ponto de corte). Mas será grave que nem todos os centros sejam bem avaliados? Não: Faz parte da lógica da avaliação científica. Que >50% das candidaturas passe à segunda fase é francamente mais generoso do que se observa em outros países onde semelhante tipo de fundos é distribuído por centros de excelência. 

Terceiro, é óbvio que se há uma proporção de centros que não obtém financiamento estrutural da FCT (um facto que sempre ocorreu nas avaliações anteriores) isso não se deve a uma avaliação defeituosa mas ao facto de haver uma decisão política de concentrar recursos em centros melhores deixando cair centros piores. Qualquer que fosse a avaliação que tivesse como objetivo descriminar para decidir sobre a distribuição de fundos teria este resultado. Como qualquer opção política esta decisão é passível de discussão. Mas seria bom discutir a opção política em vez de espalhar areia pelo ar acusando a ESF de não saber conduzir avaliações. Ninguém ganha com a tentativa de descredibilização dos processos de avaliação entre pares e todos temos a ganhar com a clarificação do debate das opções políticas. Uma questão que esmiucei em outro artigo neste blog. 

Enfim. Eu simpatizo com a Amaya. Tanto ela como eu fomos forçados a emigrar em virtude da incompetência dos governantes dos nossos países. Mas se ela acha que tem razão, que aproveite para demonstrar em sede judicial que a afirmação que fez é correta. Se vier a descobrir que afinal se enganou, que se retrate que a assunção do erro não faz mal a ninguém. Pelo contrário. É demonstração de virtude de caráter.

Posição da FCT sobre a avaliação das unidades de investigação em Portugal

O texto abaixo terá passado desapercebido de muitos colegas pelo que nunca é demais dar-lhe a visibilidade que 
merece:

"No último mês, desde a divulgação dos resultados da primeira fase, têm vindo a público diversas notícias dando conta do descontentamento de algumas unidades de investigação, investigadores e associações com os resultados da avaliação feita pela FCT em colaboração com a European Science Foundation (ESF).

Os resultados de qualquer avaliação científica produzem desapontamento junto daqueles cuja classificação ficou aquém das suas expectativas. Esta avaliação não é exceção. No entanto, não podemos aceitar que subsistam dúvidas ou equívocos relativamente à robustez, rigor e isenção do processo de avaliação, que foi cuidadosamente desenhado e implementado, de forma profissional e no cumprimento das melhores práticas internacionais.

Várias declarações e posições, repetidas e amplificadas por diversos meios, são pouco rigorosas, parciais, descontextualizadas e correspondem a interpretações mais ou menos especulativas, raramente sustentadas por factos. Queremos com este texto dirigido aos investigadores apresentar o que é e não é verdade sobre esta avaliação. Assim:

Não é verdade que esta avaliação esteja a conduzir à destruição do sistema de instituições de I&D em Portugal.Vejamos os dados sobre investigadores (que são a força motriz das instituições): 66% dos investigadores a concurso (7 em cada 10) estão em unidades que passaram à segunda fase, 21% (2 em cada 10) estão em unidades classificadas como Bom e apenas 12% (1 em cada 10 investigadores) estão em unidades que não vão ter qualquer financiamento. Os dados da Direção-Geral das Estatísticas em Ensino e Ciência indicam que os docentes apresentam uma distribuição percentual análoga entre os grupos acima descritos (todos estes dados são ainda preliminares, pois decorre o período de Audiência Prévia). Além disso, até ao momento, a percentagem de unidades não elegível para financiamento é de 22% - um valor muito semelhante ao da avaliação de 2007-08, em que de 17% das unidades não obtiveram financiamento.

É verdade que tal como acontece em exercícios regulares de avaliação, há subidas e descidas. Das unidades que concorreram com a mesma estrutura, 67% mantiveram ou subiram a sua classificação, enquanto que 33% desceram. Há as que se apresentaram com novos modelos de organização, 77% das quais passaram à segunda fase. Finalmente, das 90 novas unidades que se submeteram pela primeira vez a avaliação, 38% passaram à segunda fase.

É verdade que a FCT se disponibilizou para apoiar as unidades que não passaram à segunda fase a encontrar soluções para o desenvolvimento da sua estratégia futura. Esta intenção será concretizada através de um fundo de apoio à re-estruturação estratégica das unidades, a ser aplicado através do Programa Incentivo 2015, num valor estimado em 6 milhões de euros.

É verdade que os pedidos de Audiência Prévia recebidos serão todos analisados pelos painéis de avaliação. Nesta análise, a FCT vai alertar os painéis para aspetos cuja importância tem sido realçada pela comunidade científica.

Não é verdade que o contrato assinado entre a FCT e a European Science Foundation (ESF) exclua automatic amente metade das unidades da segunda fase da avaliação. O conteúdo do contrato reflete estimativas que marcam o ponto de partida para estabelecer os valores do contrato em função das despesas previstas e do trabalho envolvido em cada etapa. As estimativas descritas no contrato com a ESF têm em conta o cenário atual para as unidades (cerca de 30% com classificação Bom) e o que aconteceu no concurso de 2007 (em que cerca de 20% ficaram abaixo de Bom). Esta estimativa não significa que, na hipótese de se vir a registar uma desproporção entre essas estimativas e o volume de unidades a passar à segunda fase, não seriam revistos os custos e as condições do contrato. De facto, algumas estimativas feitas não se concretizaram e estamos a preparar adendas ao contrato com revisão e ajustamento dos valores relevantes.

Não é verdade que a FCT tenha imposto restrições para qualquer área científica ou região geográfica. O mérito científico das propostas apresentadas foi o único critério à luz do qual os avaliadores e painéis decidiram livremente as suas classificações. Todas as áreas do conhecimento estão representadas entre as unidades que passaram à segunda fase: Humanidades - 21%; Ciências sociais - 20%; Engenharias - 15%; Exatas - 14%; Multidisciplinares - 14%; Vida e Saúde - 8%; Naturais e Ambiente - 8%.

Não é verdade que esta avaliação esteja a deixar sem trabalho ou a forçar à emigração milhares de investigadores. Como referido acima, 7 em cada 10 investigadores a concurso estão em unidades que, por terem passado à segunda fase, podem aumentar significativamente o seu financiamento. Acrescente-se que cerca de 85% dos 5 000 investigadores que trabalham nas unidades que não passaram à segunda fase têm vínculos contratuais (tipicamente professores ou investigadores de carreira), pelo que os seus empregos não são afetados por esta avaliação. Além disso, a larga maioria dos restantes não depende contratualmente do financiamento deste concurso sendo apoiados por outros instrumentos da FCT ou outras entidades financiadoras, de forma independente da classificação da unidade (por exemplo, no concurso de bolsas individuais, a classificação do centro de investigação deixou de ser um critério de avaliação).

Não é verdade que esta avaliação tenha como objetivo concentrar o financiamento num menor número de unidades. Salientamos o desequilíbrio da situação atual: das 318 unidades de I&D atualmente financiadas pela FCT, 24 (7,5%) capturaram (Laboratórios Associados), ao longo dos últimos anos, cerca de 60% do financiamento anual da FCT para instituições de I&D. Em resultado da avaliação em curso, espera-se uma distribuição mais equitativa entre as unidades consideradas de topo, com capacidade demonstrada para competir a nível internacional.

É verdade que este é o primeiro exercício de avaliação em que todas as unidades de I&D são avaliadas de forma competitiva, com igualdade de critérios e de oportunidades de financiamento, independentemente da sua dimensão ou estatuto jurídico.

Não é verdade que as unidades não tenham sido avaliadas por especialistas na sua área científica. Cada unidade foi avaliada inicialmente por três avaliadores independentes, dos quais no mínimo dois são especialistas na área de investigação da un idade. Numa fase seguinte, e depois de ouvidas as unidades, cada candidatura foi avaliada por um painel coletivo no domínio científico da unidade composto por cientistas com experiência de gestão e de avaliação de Unidades. O resultado final da avaliação corresponde a uma decisão colegial e tomada por consenso.

É verdade que pela primeira vez num concurso FCT, os candidatos (unidades) tiveram oportunidade de contraditar os pareceres dos revisores remotos (especialistas) e que estes comentários assim como os pareceres individuais de todos os revisores remotos foram considerados pelos painéis nas suas reuniões de consenso;

Não é verdade que as unidades tenham sido avaliadas por um júri secreto. A composição dos painéis de avaliação foi divulgada no site da FCT terminada a avaliação, tal como previsto nos regulamentos do concurso e em obediência às boas práticas internacionais. O júri reúne cientistas internacionalmente reconhecidos, com experiência de avaliação e de gestão de unidades ou centros de investigação.

Não é verdade que a ESF esteja em graves dificuldades, não tenha experiência em processos de avaliação ou esteja a transferir as suas competências para a Science Europe. A ESF publicou informação suficiente para refutar esta afirmação e atestar as suas competências e mérito em exercícios de avaliação nos últimos 40 anos.

Este esclarecimento surge da convicção do Conselho Diretivo da FCT de que é crucial todos conhecerem como decorreu e continua a decorrer este exercício de avaliação, para que se possa prosseguir com as unidades e toda a comunidade científica uma discussão informada, serena e objetiva, que conduza a soluções construtivas para o desenvolvimento sustentável do nosso sistema científico.
O Conselho Diretivo da FCT,
Miguel Seabra
Pedro Carneiro
Paulo Pereira
João Nuno Ferreira"

Sunday, September 7, 2014

Ciência em Portugal: dar nozes a quem tem dentes


Muito ruído tem sido feito em torno do processo de avaliação em curso, das unidades de investigação científica Portuguesas, encomendado pela Fundação para a Ciência e Tecnologia (FCT) à “European Science Foundation” (ESF). O tom geral é de queixume: que metade das unidades perde financiamento; que as regras de avaliação não são claras; que os avaliadores não são competentes. A situação da ciência em Portugal não é fácil mas convém não perder o norte, sob pena de abalarmos os alicerces de política científica nacional que tantos anos levaram a construir.

Em primeiro lugar, devo dizer que me parece inadequado politizar um processo eminentemente técnico e científico. O processos de avaliação científica entre pares têm imperfeições, como qualquer sistema de avaliação, mas não se espera que melhorem quando são usados como arma de arremesso político ou quando grupos de interesse os procuram torpedear se os resultados não os beneficiam. Por definição, qualquer processo de avaliação científica gera descontentamento. Não pretendem eles discriminar? Quando se discrimina, há quem perde e há quem ganha. A solução para os que perdem nunca passou, nos países que nos servem de referência, por falar grosso nos jornais buscando auxílio de quem não tem informação nem conhecimentos para saber se as avaliações são, ou não são, justas. A solução envolve, por parte de quem avalia, a criação de mecanismos que asseguram a isenção e a transparência do processo (que estiveram assegurados nesta avaliação). Da parte de quem é (mal) avaliado, mais trabalho, contínua capacidade de renovação e muita persistência. A avaliação por pares, num ambiente de forte competitividade, é o dia-a-dia dos investigadores profissionais. Um dos ensinamentos que procuro incutir aos meus alunos é a necessidade de serem capazes de gerir a frustração ao verem negados os seus trabalhos, alguns deles de grande qualidade, por avaliadores independentes. Eu sei que não é para todos, que fere o ego, que por vezes se cometem injustiças nas avaliações, mas é indispensável para quem quer vingar nesta profissão.

Em segundo lugar, surpreende-me o alarido em redor da alegada existência de quotas predefinidas para financiamento das unidades. De acordo com a FCT, essas quotas nunca terão existido pelo que o alarido seria injustificado. A informação de que disponho é que terá havido uma tentativa de calibrar as avaliações de acordo com parâmetros Europeus e harmonizar graus de exigência entre painéis, o que levou algumas unidades a ter oscilações na avaliação antes da publicação dos primeiros resultados. Como não participei neste processo de avaliação, abstenho-me de fazer mais comentários específicos. No entanto, a sugestão de que a avaliação deveria ter considerado o mérito absoluto das unidades é ingénua. Todos os processos de avaliação competitiva que conheço são baseados no conceito de mérito relativo. É assim no desporto e na ciência. Porquê? Porque existe um orçamento limitado e pretendem-se canalizar recursos suficientes para os investigadores (ou unidades) que mais capacidade demonstraram ter para fazer diferença. Quer isto dizer que as unidades não financiadas não poderiam fazer bom uso das verbas? Não. Quer dizer que quando os recursos são escassos, é necessário fazerem-se escolhas, que ainda não foi inventado um sistema melhor do que a avaliação independente por pares e que a tendência internacional é de alocar o financiamento para a investigação, rigorosamente, em função destes processos de avaliação. Por exemplo, o Conselho Europeu de Investigação (ERC na sua sigla Inglesa) financia cerca de 12% dos projetos que lhe são apresentados e o número de projetos financiados é determinado pelo orçamento.  É o que fazem, igualmente, num outro âmbito, as revistas científicas que procuram publicar um número limitado de artigos por ano. A revista científica de que sou Editor-chefe, Ecography, rejeita 80% dos artigos enviados com base em critérios de mérito relativo.

Em terceiro lugar, não entendo como se acusa a FCT ou a ESF de falta de preparação em processos de avaliação. A ESF tem larga experiência de avaliação da ciência. Não ter nunca realizado um exercício idêntico não é uma crítica válida, pois os princípios da avaliação científica são genéricos e uma entidade habituada a gerir processos de avaliação de equipas internacionais, organizadas no âmbito de projetos, está perfeitamente capacitada para avaliar equipas organizadas no âmbito de unidades de investigação. Por seu lado, a FCT (e a sua antecessora JNICT) foram as entidades que trouxeram alguma objetividade nos processos de avaliação científica realizados neste País. Nenhum processo de avaliação é perfeito, não fora este conduzido por pessoas. Mas os processos de avaliação promovidos pela FCT não têm rival em Portugal. As universidades, salvo exceções, não se têm destacado por protagonizarem avaliações exemplares, por exemplo, na contração de docentes em concursos abertos, amarradas que estão à endogamia e à influência de grupos de interesse.

A crítica que se poderia fazer a este governo—em rigor a todos os que se sucederam a extinção do INIC—, foi terem sido incapazes de reformar as universidades no sentido de as tornarem mais orientadas para a investigação científica. Ao invés, criaram estruturas paralelas (os centros de investigação e laboratórios associados), esperando que estes se tornassem âncoras de excelência que contagiassem as universidades. Isso não aconteceu, pois nunca houve pressão para que estas “ilhas” de excelência se transformassem em “âncoras”. A investigação nestas unidades acabou por ser realizada, em grande parte, por bolseiros, muitos deles com elevada qualidade, que nem sequer direito a reforma condigna terão quando atingirem a idade. A solução passaria por criar mecanismos de financiamento para as universidades, indexados à produtividade científica, de forma a incentivá-las a atrair os melhores investigadores e dando-lhes, simultaneamente, instrumentos flexíveis de gestão dos recursos humanos e financeiros.


Que o financiamento para a ciência e educação em Portugal é limitado, estamos todos de acordo. Que seria desejável aumentar esse financiamento, é óbvio. Mas que a gestão dos recursos escassos deva ser feita relaxando a exigência dos processos de avaliação não é defensável. A política do “café para todos”, ou seja, repartir recursos de forma mais ou menos equitativa por todas as unidades científicas e investigadores, é defensável em estádios mais primitivos de desenvolvimento científico. Depois de décadas de investimento em formação de recursos humanos, depois de verificarmos que muitos dos melhores investigadores optaram por deixar o País em busca de reconhecimento, carreiras e recursos que não encontraram por cá, a prioridade deve ser dar nozes a quem tem dentes. Ser exigente, apostar em núcleos de excelência, integrá-los nas universidades e reforçar ou reduzir o financiamento em função de resultados.

Monday, April 29, 2013

Interview with Blog @ National Museum of Natural Sciences of Madrid

See the following blog interview if you want to know more about my views on  several issues of my work, but also on the role of Natural History Museums and their collections, the need for greater collaboration between taxonomists and macroecologists, and issues related to science funding. It is all in Spanish I am afraid...

To give you a bit of a taste for the content:

Pregunta: ¿No existe el riesgo de crear un sistema científico a dos velocidades en el que unos pocos tienen todos los recursos y otros muchos no tienen ninguno?

Respuesta: Sí claro, el "café para todos" puede dar lugar al "café para muy pocos" y eso tampoco es bueno. A partir de un determinado nivel de competitividad es imposible discriminar niveles de calidad y las decisiones de financiación son arbitrarias. Esto ha ocurrido en la primera convocatoria de proyectos de la ERC donde se rechazaron 97% de los proyectos y en la última convocatoria del programa Severo Ochoa donde se han dejado sin financiar centros de investigación evaluados con el 100%. La solución pasa, naturalmente, por ofrecer un nivel de financiación en consonancia con la dimensión y ambición de la masa crítica disponible. Por otro lado, hay que repensar la forma de organizar la ciencia en España de modo que permita la financiación de núcleos competitivos sin condenar a la obsolescencia a los restantes polos de actividad científica. Una posibilidad sería emular el sistema adoptado en algunos países nórdicos como Dinamarca y Finlandia. En estos países se reforzó de forma muy sustancial la financiación de grupos competitivos. Al mismo tiempo se reorganizaron los grupos de investigación. Pequeñas unidades de investigación, generalmente dirigidas por un único investigador principal, se han integrado en unidades de excelencia generosamente financiadas. De este modo, ha sido posible movilizar investigadores con características diferenciadas en la construcción de una agenda científica común, reforzando al mismo tiempo la capacidad de estos países de competir por recursos internacionales competitivos. En España, una política análoga podría dar resultados positivos. De hecho hay mucho margen de mejora ya que, contrariamente a la tendencia internacional que es concentración de masa crítica y de trabajo en red, continuamos teniendo una excesiva atomización de los grupos de investigación.

Thursday, June 14, 2012

The hard choices of Carmen Vela


The Spanish science community is in turmoil because Carmen Vela, the Science Secretary, announced in Nature unprecedented budget cuts of 23.5% for the sector. These are of course terrible news. Her rather displaced tone of optimism irritates many, but she is not the person to blame. She simply is the one in charge of managing those shrinking funds. Whoever will manage the Spanish science budget for 2012 will have to make hard choices, and hard choices will obviously not please everyone.

So what hard choices did she announce? Fewer post-doctoral fellowships and more research money for those getting them.

Such a decision is of course debatable.

What I primarily need for my work is brains, not money. But my needs are unlikely to represent the needs of the vast majority of my colleagues. Research money is indeed critical to get going with many projects, and especially important when starting a new research programme as an independent researcher.
Moreover, she has to manage people’s expectations. Many researchers that received the prestigious ‘Ramón y Cajal’ fellowships failed to get a job in Spain. This caused frustration among them, because fellowships were presented as a kind of tenured track position. It was, of course, misleading to present the ‘Ramón y Cajal’ fellowships as a tenured track, and it was naïve to believe this was the case.

So, one of the hard questions the State Secretary will have to address in 2012 is whether to keep increasing the pool of discontent research fellows that have no chance to be assimilated by the system, or attract slightly fewer researchers but give them more resources to undertake research.

These are, of course, short-term management decisions. The long-term challenge will involve turning the system upside down and scrapping the two-tier system that allows some established researchers to do little, while forcing some of the younger best to give up or go elsewhere.

Spanish bureaucracy - Take I


Bureaucracy in Spanish research institutes flirts with surrealism.

Take one example. To hire a technician (or a post doc) with project money one has to go through a cumbersome process that involves the so called "bolsa de trabajo". This is a database where anyone can dump their CVs and generate a few keywords to go along. When we open a call, the desired job profile is entered in the "bolsa de trabajo" and any person with keywords that match the call are listed as candidates for the job. This means researchers typically have to evaluate more than 300 of completely hopeless and off-the-point CVs. Of course we never find who we need for a job with such "bolsa de trabajo" and we have to advertise the position through mailings lists and web pages and finally ask the chosen candidates to register in this web page so that they can be "officially" selected. As if this wasn't enough the trade unions managed to win a Court process, which dictates that researchers are mere experts in the selection process. The final decision regarding the candidate ranking has to be approved by trade unions and they have the power to change our decision. So, in addition to preparing the project, obtain funding for it, search for suitable candidates, deal with the "bolsa de trabajo", evaluate >300 hopless CVs, we may have our decision overturned by anonymous trade unionists.

Of course trade unionists, judges, and other bureaucrats alike don't get that science, nowadays, is a Darwinian process. Researchers only get projects if they are competitive, and they are competitive only if they carefully select their staff based on merits rather than surnames.

It surely wasn't by accident that world-famous surrealistic artist, Salvador Dali, was born in Spain.

Iberia Change

After several years of hard work, here's our new Atlas of Climate Change Impacts on Biodiversity. You can read more about the project here.